Câncer tem cura. Previna-se

Esposas de policiais militares fazem manifestação em frente a 2ª Cia, Feu Rosa

Na manhã desta sexta-feira (03), as esposas e filhos de policiais militares do Espírito Santo iniciaram uma manifestação em frente à sede da 2ª Companhia do 6º Batalhão (Serra), no bairro Feu Rosa.

Impediram a saída das viaturas, num protesto cobrando algumas melhorias e reajustes salariais, além de solicitar materiais de segurança para os trabalhadores da segurança pública.
Foto: WhatsApp leitor
“Estamos aqui reivindicando pacificamente reajuste salarial para os militares estaduais. O governador desconhece os problemas que enfrentamos em casa, como a falta de alimentos, sem dinheiro para comprar remédios e outros gastos com nossos filhos”, disse a esposa de um policial militar.

Dentre as reivindicações estão:

-Desde 2013 sem reajuste -7 anos sem aumento
-40% de inflação
-Frota sucateada
-Falta de perspectiva de carreira
-Não recebem Auxílio alimentação
-Não recebem periculosidade
-Não recebem insalubridade
-Não recebem adicional noturno
-Fazem revezamento de coletes muitas vezes indo pra casa sem colete
-PM que mais produziu no Brasil tem o pior salário


"E mesmo com todas essas reivindicações e baixos salários, a Polícia Militar tem reduzido os índices de criminalidade, no estado e não se exime de sua responsabilidade e dever para com o povo", informou Cabo Porto.

O soldado da PM do Espírito Santo recebe hoje o pior salário do País, dentre os 26 estados e o Distrito Federal: a remuneração é de apenas R$ 2.646,112. "Temos que lutar para que essa categoria não pare os trabalhos, como vimos em alguns estados do país. E lutar pela segurança de quem promove a segurança de nossa população", afirma.

Recentemente, as associações de classe e o Comando Geral da PM receberam um estudo elaborado para apurar os salários das PM’s do Brasil, desconsiderando aumentos futuros já previstos em legislações e considerando eventuais vantagens já revogadas, porém que alcançaram os militares da ativa em agosto/2016, comparando tais salários aos praticados na PMES.

O estudo constatou que o soldado da Polícia Militar do Espírito Santo, atualmente, é o mais mal-remunerado do País, ou seja, ocupa a 27ª colocação, estando com remuneração 33% abaixo da média nacional. Já o cabo ocupa a 24 ª colocação estando com remuneração 24% abaixo da média nacional. A situação dramática em que se encontram os cabos e soldados que representam mais de 70% do efetivo da PMES é preocupante, visto que a parca remuneração é um enorme fator de desmotivação para os servidores que atuam na atividade fim da PMES.
Tecnologia do Blogger.