Câncer tem cura. Previna-se

Jornalista é Jornalista 24 horas por dia

Esta é só mais uma reflexão sobre a sociedade em que vivemos e como enxergamos alguns fatos. Recentemente li em uma reportagem do Jornal Folha de São Paulo, uma matéria que dizia que os jovens encaram a nossa sociedade como pouco ética e o pior, ainda diz não poder mudar esse cenário. Pois bem, vamos a alguns fatos eu me chamaram a atenção essa semana:

Um colega de profissão é acusado de desobediência e é levado para uma cadeia, indiciado, enquanto exercia seu direito profissional. O Jornalista Vinicius Arruda, do jornal Metro, detido por desobediência após filmar uma abordagem policial a suspeitos, em Vitória, foi liberado no final da tarde desta segunda-feira (10) depois de assinar um termo circunstanciado. Em nota, o Metro disse que o funcionário “foi movido por seu profissionalismo” e que espera que os responsáveis sejam punidos. O jornalista contou que, mesmo depois de ter se identificado como tal e apresentado à identificação foi levado para a delegacia. Mas, segundo ele, só soube que estava preso ao chegar ao DPJ de Vitória.

O Sindijornalistas e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) repudiaram a prisão do jornalista e chamaram de “autoritária e descabida” a ação dos policiais. A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT) também repudiou a detenção do repórter. Segundo a associação, as imagens foram preservadas e mostram que a filmagem foi feita à distância.


Cabo da PM é assassinado em tentativo de assalto a bancos, em Santa Margarida – MG

Um cabo de 37 anos da Polícia Militar (PM) e um vigilante foram assassinados por criminosos em uma tentativa de assalto a dois bancos, em Santa Margarida, na Região da Zona da Mata, em Minas Gerais, na manhã desta segunda-feira (10).

Três homens foram presos no início da tarde e um suspeito está foragido. Três armas calibre 12, uma submetralhadora, dois coletes à prova de balas e muita munição foram apreendidos.

Dois pesos, duas medidas?

Quando que um profissional deixou de ser mais importante que outro? Ou quando foi que perdemos o sentido das coisas? Seu direito só vale se eu não ultrapassar a linha?

Vi diversos posts a respeito da morte do policial e sim, digo que isso é inadmissível. Não podemos mais nos calar diante de tanta violência. Mas aquele policial poderia ter evitado aquilo tudo, quando percebeu que a situação estava fora do controle dele.

O jornalista, por outro lado, no cumprimento de seu dever, fez o que o nosso juramento diz. E assim, mostrar que existem sim, policiais que se deixaram levar por um sistema podre e falido. Que usam de truculência e força bruta, para descontar no povo suas frustrações de um Governo, que os massacra. E ao invés de buscar ajuda, usam da brutalidade para impor seu poder.

A matéria que li, ainda diz que das 10 profissões mais éticas, os Jornalistas ocupam o 4º lugar, enquanto que os policiais civis e militares ocupam a 8ª e 9ª posição, respectivamente. Qual a razão?

Não estou aqui fazendo nenhum discurso de ódio ou de revanche contra nenhuma classe. Apenas quero dizer que, se o policial militar merece respeito, por levar bala todo dia na cabeça, eu também como jornalista mereço por mostrar o trabalho que ele faz pela nossa sociedade. Mas quando existe o desiquilíbrio e passamos a nos atacar, como inimigos e esquecemos que o verdadeiro culpado tem uma caneta e não uma 38 na mão, coisas tais como essas acontecem.

Muitos irão discordar de mim, mas um Jornalista quando leva uma bala na cabeça ao exercer sua profissão com esmero, vale tanto quanto o policial que morre no cumprimento do seu dever.

Tenho medo pelas gerações futuras, pois se hoje 2017, nossos jovens já dizem não ter esperança em mudar o cenário, o que dirá de nossos netos e bisnetos?


Precisamos buscar novamente o equilíbrio e recuperar o valor de cada um. Policiais merecem muito nosso respeito e reconhecimento pelo trabalho que fazem assim como nós Jornalistas.
Tecnologia do Blogger.