CPI para investigar irregularidades em contratação de empresa de lixo, em Aracruz


Os vereadores Alexandre Manhães (PMDB), Romildo Broetto (PV), Mônica Cordeiro (PDT), Carlinhos do Josiel (PP), Toni Loureiro (PP), Dileuza Del Caro (PSB) e Lula (PRTB) protocolaram, nesta quinta-feira (03), pedido de abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara Municipal para investigar suspeitas de irregularidade na contratação da empresa S.A Serviços de Limpeza e Soluções Ambientais EIRELI encarregada da prestação de serviços de limpeza pública no município.

Eles justificaram a abertura da CPI “para apuração de suposta fraude na dispensa de licitação e contratação emergencial” da empresa, “com base no procedimento de investigação 2017.0005.7619-98” que está em curso no Ministério Público de Aracruz.

De acordo com os vereadores, a contratação da empresa foi realizada no início do ano e o prazo para as investigações da CPI é de 90 dias, podendo ser prorrogado.

O vereador Romildo Broetto, que assinou o documento, afirmou que a casa solicitou as denúncias ao MP e, a partir da análise do documento, chegaram à conclusão da necessidade de abertura da CPI para averiguar as eventuais irregularidades. “A função do vereador é fiscalizar. Se há uma suposta irregularidade, é nosso trabalho apurar e constatar. Se tem suspeita, é a investigação na CPI que vai confirmar ou não”, justificou Broetto.

Na segunda-feira (07), a abertura da CPI será voltada na plenária. “E vamos decidir quais vereadores irão compor a CPI”, afirmou Broetto.

Em 2011, quando o atual prefeito Jones Cavaglieri (SD) era vice do Dr. Ademar Devens (PMDB), uma CPI do Lixo culminou na prisão de vereadores e em afastamento do prefeito do cargo. “Não estamos analisando a pessoa do prefeito, mas sim o contrato, se existe irregularidade ou não.  Nosso papel é fiscalizar”, garantiu.
Tecnologia do Blogger.