McDonald’s comemora empregabilidade e inclusão profissional no Dia Nacional da Luta PCD



Rede possui cerca de 20 pessoas com deficiência atuando no estado do Espírito Santo

Um dos principais focos do McDonald’s é a inclusão social e, no Dia Nacional da Luta das Pessoas com Deficiência (21/09), é importante destacar o cuidado e o respeito que a empresa tem quando se fala em diversidade.

No Espírito Santo, o McDonald’s emprega hoje cerca de 20 pessoas portadoras de algum tipo de deficiência. Uma delas é Juliana Alves, 22 anos, que atua como atendente no restaurante do Shopping Mestre Álvaro. Ela tem síndrome de Crouzon, também conhecida por Disostose crânio-facial, uma doença rara onde há um fechamento prematuro das suturas do crânio levando a diversas alterações cranianas e faciais.  O McDonald´s foi sua primeira oportunidade de emprego. Ela conta que sua experiência profissional anterior foi como Jovem Aprendiz. Depois, teve dificuldades em encontrar um trabalho com carteira assinada.  Após passar por várias entrevistas, foi contratada como atendente do restaurante McDonald´s.

No início, Juliana conta que ficou bastante insegura, com medo da adaptação à função e da convivência com os colegas e com os clientes. “Mas fui bem recebida por todos, sinto que eles têm um carinho grande por mim”, afirma. Logo, ela se tornou responsável pelo quiosque de sorvetes, onde, além de atender os clientes, controla o estoque. “Hoje, passados alguns meses, me sinto confiante, vejo que sou capaz. Os clientes gostam de comprar comigo e elogiam o meu trabalho”, diz ela, que faz planos de cursar faculdade de Administração.

Outro exemplo de funcionário do Estado é João Victor de Salles Pereira, 28 anos, que atua no restaurante do Shopping Praia da Costa desde maio de 2012. João Victor tem síndrome de Apert, doença caracterizada por má formação craniofacial. Antes do McDonald´s, ele trabalhou por três meses em um supermercado em 2010. Depois, ficou desempregado, até que viu uma reportagem na TV sobre vagas de emprego e procurou o McDonald´s para um entrevista. Foi contratado e já está há cinco anos no mesmo restaurante.

João é grato pela oportunidade no restaurante e conta que nunca teve problemas no ambiente de trabalho, onde se sente muito bem acolhido. O problema às vezes ocorre com outras pessoas. Ele conta que já sofreu bullying enquanto trabalhava no quiosque de sorvetes, mas seus colegas o ajudaram a superar a situação constrangedora. “Machuca passar por essas situações, mas tento esquecer e seguir minha vida”, afirma.

PCDs no McDonald’s do Espírito Santo
Atualmente, o McDonald’s possui cerca de 20 pessoas com deficiência trabalhando nos restaurantes e seis vagas abertas para contratação, sendo cinco na Grande Vitória e uma em Linhares. As três características que a empresa procura identificar nos seus candidatos são: a capacidade de se adaptar aos processos estabelecidos nos restaurantes; motivação e vontade de fazer parte do time; e disponibilidade para realizar as entregas necessárias. O processo de seleção ocorre por meio de abertura das vagas, de acordo com as necessidades e possibilidades de cada local de trabalho, sejam restaurantes ou escritórios.

Tecnologia do Blogger.