Header Ads


LEIA APÓS O ANÚNCIO


Falta de memória, problemas de concentração e foco. Essas são as principais dificuldades da maioria das pessoas atualmente e, para o público concurseiro, esse pode ser o calcanhar de Aquiles durante a realização das provas e etapas de um concurso público. A previsão é que em 2018 sejam abertos cerca de 30 concursos, com 15 mil vagas de nível médio e superior em órgãos federais de todo o Brasil. Para quem está se preparando para ocupar uma dessas vagas,  uma atividade importante está aparecendo na grade de estudos e pode ser o diferencial do concorrente: o treinamento cerebral.
Exercícios de ginástica para o cérebro estão em crescimento no país, prova disso é o crescimento das escolas desse segmento. O método Supera, que investe no desenvolvimento das habilidades do cérebro e possui um público alto de concurseiros, inaugurou, somente em 2017, cerca de 70 novas unidades em todo o Brasil, sendo uma delas em Vila Velha. De acordo com a diretora da unidade de Vila Velha, Sandra Kirchmayer, investir no diferencial para vencer a concorrência acirrada dos concursos é a aposta de uma parcela dos concurseiros. “A ginástica cerebral é uma verdadeira vantagem competitiva para quem deseja disputar uma vaga no mercado de trabalho. Nos concursos mais disputados, os candidatos conseguem sair na frente se possuem alta capacidade de concentração, agilidade de raciocínio e autoconfiança. São três requisitos fundamentais para superar a concorrência”, analisa.
A principal ferramenta pedagógica do Supera é o ábaco, um instrumento de cálculo milenar muito utilizado pelos orientais. Além disso, o trabalho ainda conta com jogos educativos, desafios lógicos e neuróbicas (aeróbicas para neurônios). Normalmente os resultados já podem ser vistos com seis meses de aulas e torna os alunos mais preparados com relação à velocidade de raciocínio, paciência, segurança e relacionamento interpessoal. “De que adianta passar meses estudando, aprendendo não só o conteúdo, mas também técnicas para o dia da prova, se o seu cérebro não estiver preparado e com o potencial máximo pronto para ser utilizado?”, questiona Sandra.
O curso ainda agrega inúmeros outros benefícios, não apenas para a hora das provas, mas também para a carreira profissional do aluno, que se sente muito mais preparado para lidar com as adversidades do ambiente de trabalho. Aliando o treinamento cognitivo às ferramentas de desenvolvimento pedagógico, a ginástica cerebral potencializa a memória, aumenta o nível de retenção de informações e a disciplina, e fortalece a capacidade cerebral do aluno, tornando a aprovação apenas a consequência do trabalho bem realizado com o cérebro.

Tecnologia do Blogger.