Leia após a publicidade

É com muito orgulho que os capixabas comemoram: a melhor cachaça do país é do Espírito Santo. Este importante título conquistado pela cachaça Princesa Isabel foi concedido pela 3ª edição do "Ranking da Cúpula da Cachaça”, realizado em São Paulo. Evento este que se iniciou em setembro do ano passado, sendo concluído em 1º de fevereiro deste ano. A principal premiação nacional do segmento, que acontece a cada dois anos, revelou as 50 melhores cachaças do Brasil. Além do primeiro lugar com a cachaça Aquarela, o alambique Princesa Isabel também conquistou a 20ª posição com a cachaça Sete Cores (jaqueira). O prêmio é motivo de muito orgulho para o Estado, pois enaltece a credibilidade do mercado regional e põe o Espírito Santo como referência nacional, atraindo a atenção de consumidores e apreciadores da bebida.  

A marca linharense que já circula entre os principais bares, restaurantes e centros gourmets do Brasil e do Espírito Santo tem apenas um ano e meio de mercado e já coleciona importantes prêmios internacionais. A vencedora Aquarela, lançada em 2016, foi destaque em recente premiação em Londres, na Inglaterra, e medalha de prata no concurso mundial realizado em Bruxelas.

A mais nova queridinha dos brasileiros e dos gringos é produzida na Fazenda Tupã, às margens do Rio Doce, em perfeito equilíbrio com a produção de cacau. Foi pensada no contexto de brasilidade e alegria e possui armazenagem em toneis de jequitibá rosa. O equilíbrio de sua fórmula e baixa acidez proporciona suavidade ao produto. Isso torna a cachaça Aquarela ideal para os amantes da mais tradicional bebida brasileira. Sua intensa sensação olfativa permite ser consumida pura, em formas de drinks e sem regras de harmonização.

A qualidade reconhecida pela premiação é fruto de um processo produtivo bastante rigoroso, seguro e eficiente, que se inicia no campo com o cultivo das variedades de cana RB7515 e RB5453, perfeitamente adaptadas às terras e condições climáticas do Estado. O processo obedece a preceitos da agricultura equilibrada e integrada, com colheita manual da cana-de-açúcar, sem queimada. Já o transporte para o alambique é feito com todo o cuidado de segurança e higiene e extração do caldo em engenho apropriado no prazo máximo de 12h. Todos esses cuidados contribuem para o sucesso da marca Princesa Isabel.

De acordo com o produtor Adão Cellia, o próximo objetivo da marca é concluir o processo de certificação da bebida no Inmetro, como também a certificação orgânica, contando atualmente com a assessoria do Sebrae-ES para este fim. “Nossos produtos possuem qualidade extremada e estas certificações vêm consolidar o rigor técnico do trabalho até aqui realizado”, destaca Adão.

Saiba mais sobre a cachaça Princesa Isabel
A cachaça é uma paixão do médico Adão Cellia e toda sua família e se tornou uma oportunidade prazerosa de negócio com vendas locais, como também em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e entre outros estados brasileiros.

Ela é fabricada de forma artesanal no Alambique da Fazenda Tupã, na localidade de Desengano, na zona rural de Linhares, no Norte do Espírito Santo, com produção média anual de 25 mil litros. Além das duas cachaças premiadas no “Ranking da Cúpula Nacional da Cachaça" há outras três igualmente saborosas: a cachaça Tradição (Bálsamo), Ouro (Carvalho) e a Prata (Inox).
 
Conheça as cachaças Princesa Isabel:

Cachaça Aquarela
O armazenamento em tonéis de Jequitibá Rosa confere à bebida aromas delicados herbais sem descaracterizar seu perfil de cachaça branca.  O equilíbrio de sua fórmula e baixa acidez proporciona suavidade ao produto. Isso também a torna ideal para o preparo de caipirinhas e drinks. Sua intensa sensação olfativa permite ser consumida pura e sem regras de harmonização.

Cachaça Ouro (Carvalho americano, carvalho francês e amburana)
Extremamente equilibrada, suave, com um leve adocicado, fruto de sua maturação em barris de carvalho. Possui um equilíbrio perfeito entre os ésteres e o álcool, com baixíssima acidez e um dourado intenso no líquido. Durante a degustação, percebe-se um coco queimado, caramelo, amêndoas e canela. Apresenta um excelente retrogosto e um agradável persistência dos aromas.

Cachaça Sete Cores (Jaqueira)
Na beira do Rio Doce cultivamos cacau na forma mais tradicional e sustentável. Lá, um certo dia no ano de 2015, uma frondosa jaqueira secular tombou durante um temporal, foi quando nosso patriarca teve essa grande ideia. Recolheu o tronco caído e levou para que nosso tanoeiro fizesse barris com a madeira. De volta à fazenda Tupã eles foram enchidos de cachaça Princesa Isabel e o resultado foi essa surpreendente e singular bebida.

Cachaça Tradição (Bálsamo e jaqueira)
Tem quem não abra mão da tradição, nós também não! Mas sentimos que podíamos dar um passo a mais, dar nosso toque. É nesse sentido que fizemos a cachaça tradição, uma autêntica bebida fina de alambique, envelhecida em bálsamo, mas com um toque especial de cachaça envelhecida em jaqueira. Isso faz com que, além das características herbais habituais e do aroma de anis marcante ela seja enriquecida com perfume floral e de frutas amarelas. Feita de forma tradicional, mas com sotaque capixaba, armazenadas em tonéis de boa qualidade e feitos sob encomenda pelos nossos tanoeiros.

Cachaça Prata
Cachaça branca. Como se diz lá na roça "purinha". Armazenada em tonéis de inox por mais de dois anos, sem nenhuma passagem em madeira. Esta cachaça se destaca pela sua suavidade e frutado agradável.

Nenhum comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Tecnologia do Blogger.