Leia após a publicidade

A busca por inovações na Medicina é constante e os avanços são cada vez maiores. Um exemplo é uma cirurgia que foi realizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Hospital Meridional, em Cariacica, no dia 3 de março, para tratamento da doença de Parkinson. A doença não tem cura, mas esse tratamento proporciona significativa melhora na qualidade de vida.

Os médicos neurocirurgiões que participaram da cirurgia no Meridional, Fabrízio Borges Scardino e Guilherme Badke, contam que o procedimento consiste em implantar pequenos eletrodos posicionados profundamente no cérebro para estimular ou inibir uma determinada região no órgão. Esses eletrodos ficam ligados a uma bateria, colocada sob a pele do paciente, que direciona a energia para o local em que estão implantados, ajudando o paciente a controlar os tremores e rigidez causados pela doença.

Scardino explica melhor como funciona o processo. “Esse eletrodo é implantado bem no núcleo da área afetada pela doença para que seja feita uma modulação elétrica da atividade cerebral. O paciente fica acordado durante o procedimento para que os testes sejam feitos durante a implantação”, afirma o neurocirurgião.

Um aposentado de 63 anos foi quem recebeu o tratamento e depois da cirurgia já percebe melhoras. Conquistou, inclusive, independência para realizar algumas tarefas que antes não conseguia.

Nem todas as pessoas que possuem a doença de Parkinson são aptas à cirurgia. Para ser escolhido para realizar esse procedimento, é preciso passar por uma avaliação clínica feita por especialistas na área.

Nenhum comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Tecnologia do Blogger.