Leia após a publicidade

Seria apenas mais uma pausa para o café durante o patrulhamento em um dia de serviço de quatro Policiais Militares no bairro Alto Laje, em Cariacica, até que uma simpática e cativante senhora de 79 anos abordar a equipe. Mas não foi uma abordagem qualquer, a sorridente Dona Lígia foi super carinhosa e afirmou se preocupar e orar por todos os  Policiais Militares.

O Cabo Fábio Fonseca, entrou na PMES em 2009 ele é associado da ACSPMBMES e seu primeiro local de trabalho foi o 7º BPM, onde permaneceu até 2011. De lá seguiu para a ROTAM até a sua extinção, quando voltou ao 7º BPM. O militar conta que Dona Lígia já chegou conversando com ele e também com os Soldados Wilami, Pinheiro e Levi.

“Quando ela veio falar conosco, me dirigi a ela, a abracei e lhe dei um beijo e então ela disse que estava sempre orando pela gente e que também orava por todos os policiais, que gostava muito do nosso trabalho e que tínhamos que colocar os vagabundos para correr porque ela é bem conservadora. Conversamos bastante e ela falou que iria orar mais pela gente para Deus nos proteger e que ficava muito triste quando sabia de alguma notícia contra a Polícia Militar, disse também que iria dar um presente pra gente, mas dissemos que não precisava”.

Para quem pensa que a Dona Lígia se contentou com o não da equipe está enganado. A adorável senhorinha passou a ir diversas vezes à padaria em busca da equipe. Ela queria reencontrar os militares para externar seu carinho e gratidão.

“Fomos informados pelo pessoal que trabalha no local que ela estava a nossa procura e descobrimos onde ela morava. Então, por se tratar de uma senhora, fomos até lá. Foi uma surpresa”, relembra Cabo Fábio.

Os policiais foram muito bem recebidos pela Dona Lígia que ficou muito feliz com a surpresa. Desta vez, o Soldado Levi não estava presente, no lugar dele, outro militar, o Soldado Raimundo, que também ficou encantado com a vivacidade e receptividade da senhora.

“Conversamos com ela e ela deu uma toalha de rosto para cada um de nós. Disse que gostava muito da gente porque fomos muito carismáticos com ela, conversamos também com a filha dela que agradeceu bastante o fato de termos dado atenção a mãe dela”, conta Cabo Fábio.

Estes policiais não são exceção ou raridade dentro da Polícia Militar do Espírito Santo. Os guerreiros que combatem a criminalidade são exigidos e por muitas vezes não valorizados por quem deveria são pessoas que se compadecem das outras, que conquistam o respeito da população e despertam sonhos nas crianças que um dia querem ser militar também.

Enquanto alguns enxergam somente o herói dentro de uma farda, outras pessoas como a Dona Lígia vêem além, vêem homens e mulheres que têm sonhos, projetos, medos, expectativas, coragem, dedicação e amor pelo que fazem.  “Sempre procuro conversar com as pessoas. Muitas vezes as crianças nos procuram, tiramos fotos com elas. Sempre tive esse lado social e nesse sentido não deixei a moral cair porque muita gente admira ainda o nosso trabalho, gosta do que a gente faz e a gente faz por essas pessoas”.

Nenhum comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Tecnologia do Blogger.