Nesta quarta-feira, 6 de junho, é comemorado o Dia Nacional do Teste do Pezinho, data criada pelo Ministério da Saúde para reforçar a importância da realização do exame em crianças recém-nascidas.

O teste é gratuito, obrigatório e deve ser realizado em bebês com até cinco dias de vida. O procedimento possibilita o diagnóstico precoce de doenças que, se não forem tratadas no estádio inicial, podem comprometer o desenvolvimento mental e físico da criança e até levar à morte.

A pediatra Sandra Amorim, da Clínica GlobalMed Vitória, explicou que, dentre as patologias mais importantes detectadas pelo exame, estão o hipertitoidismo,  fenilcetonúria( doença genética, causada pela ausência ou pela diminuição da atividade de uma enzima do fígado), fibrose cística, dentre outras.
“São doenças que, se forem diagnosticadas inicialmente, apresentam muito mais eficácia no tratamento. Por isso, o teste do pezinho é tão necessário e obrigatório. Não tem nenhuma contraindicação e é extremamente importante para a saúde da criança”, afirmou a médica.

Com apenas uma picada no calcanhar do bebê, é possível retirar algumas gotinhas de sangue que, depois de analisadas, indicam se a criança apresenta certas doenças genéticas, infecciosas ou metabólicas.


Confira algumas doenças que podem ser diagnosticadas no teste do pezinho:

Fenilcetonúria
Doença genética, causada pela ausência ou pela diminuição da atividade de uma enzima do fígado, que transforma a fenilalanina (aminoácido presente nas proteínas) em outro aminoácido chamado tirosina. A criança com fenilcetonúria, não diagnosticada e sem tratamento, somente começa a apresentar sintomas e sinais evidentes da doença entre os três e seis meses de vida.

Hipotireoidismo congênito

Incapacidade da glândula tireoide do recém-nascido em produzir quantidades adequadas de hormônios tireoideanos. Sem o diagnóstico e tratamento precoce, a criança pode ter crescimento e desenvolvimento mental bastante comprometidos.

Fibrose cística

A sua principal característica é o acúmulo de secreções nos pulmões, no trato digestivo e em outras partes do corpo. Pode provocar infecções crônicas.

Hiperplasia adrenal congênita

Conjunto de síndromes transmitidas geneticamente que limitam a produção de hormônios nas glândulas adrenais (localizadas acima dos rins), o que prejudica o crescimento.

Nenhum comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Tecnologia do Blogger.