Leia após a publicidade

Por Agência Brasil*  RIAD


Uma investigação preliminar da Procuradoria Geral da Arábia Saudita apontou a morte do jornalista Jamal Khashoggi, que desapareceu no começo do mês em Istambul, na Turquia, informou a agência de notícias estatal saudita SPA.

A agência afirma que a investigação continua e que 18 pessoas de nacionalidade saudita estão presas preventivamente por suposta ligação com o caso.

Ativistas de direitos humanos com cartazes do jornalista saudita desaparecido Jamal Khashoggi durante protesto no início de outubro em frente ao consulado saudita em Istambul, na Turquia 
O jornalista estava desaparecido desde o último dia 2 de outubro. Foto: Osman Orsal/Reuters/direitos reservados.

No último dia 2, o jornalista sumiu após entrar no consulado da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia, para resolver questões burocráticas. Khashoggi fazia oposição ao governo saudita e criticou diretamente o príncipe herdeiro Mohammad bin Salman e o rei Salman.

No mesmo dia de seu desaparecimento, horas após o jornalista ter entrado no consulado, um comboio de seis veículos saiu do edifício diplomático e seguiu para a residência do cônsul, segundo informações da imprensa turca com base em imagens de câmeras de segurança.

Exílio


Em setembro do ano passado, Khashoggi fugiu de seu país natal e se exilou em Washington, nos Estados Unidos, justamente por causa de seu posicionamento político. Desde então passou a colaborar com um jornal norte-americano de forma mais contundente. Entre as ações do governo saudita que Khashoggi atacou está a intervenção militar no Iêmen, liderada pela Arábia Saudita.

*Com informações da EFE

Nenhum comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Tecnologia do Blogger.